15 Perguntas que você deve se fazer antes de fazer a transição de empregado a empreendedor

Você quer empreender só porque odeia o seu emprego? Isso não é suficiente.

Infelizmente essa não é uma situação incomum. E consequentemente o que se vê é um enxurrada de novas empresas fechando nos primeiros meses de vida e empreendedores iniciantes pagando um preço alto na sua vida pessoal e profissional por este movimento errado.

Antes de partir para o empreendedorismo, tenha consigo mesmo uma conversa bem sincera sob pena de dar uma direção equivocada à sua carreira.

Você pode buscar um aconselhamento profissional de transição de carreira e isso é muito válido. Mas se não puder fazer isso no momento por questões financeiras, saiba que hoje temos inúmeros coaches e mentores fazendo um excelente trabalho nessa área de carreira e empreendedorismo, através de conteúdo gratuito pela internet (se quiser dar uma espiada no meu ebook, blog e redes sociais, eu tenho muito conteúdo gratuito sobre isso no meu site www.carolinecaracas.com.br ou da minha empresa www.marketingminds.com.br).

Mas antes que você faça esse trabalho sozinho buscando informação por aí, vamos já colocar a mão na massa aqui fazendo alguns exercícios.

Mesmo que você ainda esteja naquela fase da resistência, que ainda não se convenceu que precisa de uma ajuda profissional externa (conheço muitos empregados assim!), que tal começar buscando essa ajuda primeiro dentro de você.

O autoconhecimento é necessariamente o primeiro passo de quem busca esse tipo de transição de empregado a empreendedor, mesmo que você não reconheça isso ainda. Todo negócio vai ser a cara do dono e os resultados serão proporcionais às suas ações feitas com consistência. Imagina então se você não tem clareza dos seus pontos fortes e pontos de melhoria, habilidades, talentos e competências? O destino de quem tem falta de clareza é um só: a inação.

Ou talvez você seja aquele tipo de pessoa que associa auto conhecimento com auto ajuda, e tem sérios dogmas, crenças negativas e preconceitos a respeito disso.

Esqueça isso por alguns instantes e siga nesse artigo. Faça um exercício mental e troque a expressão auto ajuda por diálogo interno. Vamos aqui exercitar simples perguntas que vão te ajudar a se encontrar caso você se sinta meio perdido em relação à sua carreira.

A primeira delas é:

1)  Você odeia seu emprego ou odeia apenas algumas coisas nele?

Isso precisa ser colocado no papel já. A consciência gera clareza.

Pegue uma folha em branco e passe um risco no meio dela.

De um lado escreva: coisas que eu gosto no meu emprego e do outro lado o oposto, aquelas coisas que você não gosta ou até odeia.

Você precisa ser o maior expert do mundo sobre os seus questionamentos antes de decidir empreender.

Vamos imaginar que você responda algo parecido com isso:

O que eu odeio no meu emprego:

–      o meu chefe

–      a minha função

–      ter que trabalhar horas extras

–      o trânsito pra chegar até o trabalho

O que eu gosto:

–      dos colegas

–      do ambiente

–      dos benefícios

–      do salário

–      do segmento de atuação da empresa

Se o seu problema tem mais a ver com o seu chefe, com o trânsito, com a sua função, ou seja, fatores mais externos do que internos, você vai encontrar muita dificuldade e ter pouca resiliência ao empreender.

Com esse quadro, possivelmente você não estaria qualificado para o empreendedorismo (ainda!!), o que não significa que não possa ser o seu caminho. Só quer dizer por enquanto que isso não é suficiente e que você não está com a motivação correta para encarar uma nova vida empreendedora, mas que pode se desenvolver e mudar completamente sua mentalidade.

Existem grandes chances de que nessa situação você possa resolver seu problema dentro da própria empresa acessando as pessoas certas ou até preparar um bom currículo e ir a luta no mercado.

Agora vamos imaginar que você tenha respostas mais parecidas com essas abaixo  (mas lembre-se: tenha a conversa mais sincera do mundo consigo mesmo! Não se sabote)

O que eu gosto:

–      da maior parte das pessoas

–      da apresentação de resultados da minha área no fim do mês

–      de um desafio novo

–      de ganhar bônus por mérito

–      de liderar pessoas

–      de bater metas

O que eu não gosto:

–      da falta de liberdade

–      da rotina

–      de chefes que abusam do poder

–      da cultura sem autonomia

–      de não ser reconhecido

–      da burocracia

–      de ter sua criatividade tolhida

–      de não poder exercer o seu potencial

–      de não ser ouvido

Essa situação já mostra uma mentalidade e um conjunto de sentimentos bem mais favoráveis para você se descobrir como empreendedor.

Em geral, o que move um aspirante a empreendedor tem muito mais a ver com inquietações internas e fatores intrínsecos. Uma vozinha te chama a realizar algo maior no mundo, alinhado a um propósito e estilo de vida desejado. E mais do que isso: um desejo de liberdade e flexibilidade de tempo toma conta de você.

O empreendedor é alguém mais movido a propósito, a metas, vontade de inovar, experimentar e liderar para viver nos seus próprios termos e com isso fazer a diferença por onde passa.

Não é incomum também observarmos dentro das empresas, seja em líderes ou liderados, os intra-empreendedores, aqueles que desempenham seus papéis com o sentimento de donos, altamente comprometidos em gerar resultados e em busca de reconhecimento pessoal tanto quanto o dinheiro.

Já vi muitos excelentes funcionários intra-empreendedores perderem o engajamento, a motivação, justamente quando as regras das recompensas não são claras e o reconhecimento não chega, seja em forma de compensação financeira ou desafios para crescer.

Essas pessoas já empreendem no seu dia a dia mesmo sendo empregados. Elas apenas não despertaram pra isso ainda. Em geral, por crenças transparentes e limitantes elas não acreditam que sejam capazes de gerar receita para elas próprias, em carreira solo, da mesma forma que geram resultados para as empresas. Dessa forma adiam a decisão de empreender no seu próprio negócio mas o tempo é implacável: o incômodo se instala e a vontade de empreender em seus próprios projetos vai crescendo.

Então falamos da primeira pergunta e ela foi densa: porque você odeia o seu emprego e porque você deseja empreender?

Agora que você já tem um primeiro diagnostico na mão, não se aflija, apenas reflita mais!!! Se ele não estiver favorável para o empreendedorismo, por enquanto não quer dizer que você não possa se desenvolver para empreender. Ele apenas te deixou mais consciente das suas reais motivações e de que tem um trabalho a ser feito, especialmente de mentalidade, do nosso jogo mental e emocional interno, que será nosso grande inimigo na vida empreendedora quando a coisa apertar.

Agora mais algumas perguntas.

Você deve responder a todas elas. Isso vai te ajudar muito a tomar decisões mais conscientes sobre o seu próximo passo na carreira.

2.    Você se sente deprimido aos domingos?

3. Você desliga o despertador muitas vezes todos os dias e sente como se arrastasse para o trabalho?

4. Você não tira o olho do relógio esperando que o dia acabe?

5. Você passa o dia distraído nas redes sociais e em seus sites preferidos?

6. Você não tem vontade de dar opinião nas reuniões? Prefere obedecer diretrizes sem ter muito trabalho de argumentação sobre os assuntos da sua função?

7. Você se sente acomodado em relação à sua posição atual?

8. Você está conseguindo usar seu potencial no trabalho?

9. Você está aprendendo?

10. Você está se divertindo enquanto trabalha?

11. Você se sente crescendo na profissão?

12. Você está pleiteando e aceitando desafios?

13. Onde você quer estar em 1 ano, 5, 10, 20 anos? Como você imagina seu futuro?

14. Que historia você quer contar pros seu netos sobre a sua vida e carreira, sobre a sua contribuição no mundo?

15. Você sente que gostaria de viver um trabalho e uma vida nova mas tem muito medo?

Quando surgir o incômodo, esse raio X dos seus pensamentos e sentimentos é a coisa mais importante em relação a sua carreira.

Ou seja, você precisa dar mesmo uma parada e se reconectar. Se auto conhecer. Entender onde você se perdeu da sua essência.

Em resumo você precisa descobrir sobre si mesmo: Quem é você? Onde você está hoje? Pra onde você está indo? E se esse é o lugar pra onde gostaria de ir? Ou as suas ambições são totalmente diferentes do estilo de vida que está construindo?

O empreendedorismo é uma escolha consciente de um estilo de vida novo com muito trabalho pela frente, onde praticamente não haverá separação entre vida pessoal e profissional. Você vai precisar gostar do seu trabalho pois ele se confundirá com a sua própria vida de forma muito natural. É preciso encontrar a interseção entre o prazer e a recompensa financeira.

O auto conhecimento tem tudo a ver com ganhar dinheiro, eu escrevi sobre isso em outro artigo que você também deve ler.

A técnica de se fazer perguntas poderosas é o seu antídoto para evitar uma morte súbita como empreendedor. As perguntas e as respostas conscientes podem te levar a se desenvolver como empreendedor, a encontrar as motivações corretas e a se preparar para a realidade que o espera.

Essas perguntas um dia me fizeram parar, refletir e criar novos pensamentos, novas convicções que geraram coragem para trabalhar pelos meus sonhos e não mais trabalhar pelos sonhos dos outros. Elas me levaram a criar uma nova realidade, com mais prosperidade para mim e minha família, trabalhar com mais propósito e me sentir realizada de novo profissionalmente.

Eu só posso afirmar que todos podem se empreender, fugir das grades do seu condicionamento mental, de uma vida inteira, onde a maioria de nós foi preparado para uma mentalidade de empregado. Não temos culpa disso, simplesmente fomos treinados dessa forma, mas a boa notícia é que isso é reversível, desde que a pessoa queira se desenvolver como empreendedor.

Só tem uma condição: você quer realmente pagar o preço para reverter essa condição de empregado e se transformar com convicção em um empreendedor dos seus projetos de vida?

Enquanto muitos à sua volta vão te ver como um desempregado tentando empreender, você vai estar mais preparado para uma nova perspectiva, a de se enxergar como um empreendedor de verdade, até que isso se torne um sentimento arraigado dentro de você.

Existe uma expressão famosa em inglês que diz: “Fake until you make it” e ela funciona. Aja como se já fosse e será! Você está prestes a criar uma nova realidade e ela precisa acontecer primeiro na sua mente, mesmo que todo mundo à sua volta não consiga ter essa visão. Prepare-se: isso pode acontecer.

A única condição e o primeiro passo para empreender é decidir se você quer. O resto é preparação e persistência.

E antes da gente se despedir lembre-se:

A auto realização é uma consequência de saber qual é a sua direção na vida, aquela que te satisfaz, seja empreendendo ou não. A vida é sua.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *