DESESPERADO PARA PEDIR DEMISSAO

Desesperado para pedir demissão? Não faça sem ouvir essas dicas

Quem me conhece, sabe que vivenciei duas transições em minha carreira profissional. Por isso, acredito que muitas pessoas me procuram para perguntar sobre o assunto. Logo, se você está desesperado para pedir demissão, este texto é para você.

Mas antes, gostaria de explicar que pretendo fazer isso com todo cuidado, pois é um assunto delicado e não quero ser a responsável pela demissão de ninguém. Então sugiro que utilize este texto como uma ferramenta de reflexão.

Vamos às considerações:

Considere todos os riscos

É importante tomar todos os cuidados, porque, mesmo se precavendo no momento de pedir demissão, não existe segurança total em nenhuma decisão. O que você pode fazer são alguns exercícios que proporcionam a otimização do desempenho profissional e aumentam a segurança.

Fazer um bom planejamento, por exemplo, minimiza os riscos. Estimular a autoconfiança gera persistência para seguir em frente. Ao obter mais clareza sobre seus anseios, você sabe o que quer e como tomar decisões mais facilmente. Além disso, você pode aumentar o seu foco, o que traz mais resultados em sua disciplina diária.

Tudo isso minimiza os riscos. Mas, independentemente da adoção dessas práticas, saiba que toda decisão traz consigo algum risco.

Confira algumas dicas mais gerais

Este assunto é muito delicado e, por conta disso, é necessário entender que há fatores particulares.

Pense na sua relação com a empresa em que trabalha, bem como o relacionamento que você tem com o seu chefe. E procure levar em consideração os seus planos para o futuro. Finalizando essas reflexões, restam dicas específicas:

1 – Desesperado para pedir demissão? Organize-se financeiramente

Quando o assunto é demissão, é necessário que ela seja pensada da forma mais segura possível, com escolhas conscientes. E para que isso aconteça, você precisa se organizar financeiramenteE, por mais que isso pareça algo óbvio, muita gente se complica porque não leva o fator financeiro em consideração.

Isso pode trazer várias complicações. Em alguns casos, o desespero bate e a pessoa deixa de pensar de forma clara. Por conta disso, os planos que teriam boas condições de se tornarem realidade, são deixados de lado com a desestabilização emocional.

E um fator importante a ser considerado no seu planejamento financeiro é a mudança do estilo de vida. É sempre possível cortar gastos e com a apresentação de novos planos, pode ser que você precise fazer algumas mudanças.

1.1 – Tenha um propósito

E fique tranquilo, cortar gastos vai ser mais fácil que você imagina. Se o seu propósito for muito forte e se você está desesperado para pedir demissão, talvez não será muito complicado.

Quando a mudança de padrão de vida é motivada por um desejo muito forte, ela acontece com mais tranquilidade.

Se antigamente nossos pais queriam muito que a gente passasse no vestibular e que procurássemos carreiras consideradas mais estáveis, hoje o mundo mudou. Mas tudo graças a busca da realização do propósito.

Mas para que ele se realize, é fundamental que a gente passe a repensar a nossa vida financeira. Ela precisa estar completamente organizada quando você pedir demissão.

1.2 – Deixe uma reserva financeira

A reserva financeira é algo importante porque é com ela que você vai financiar seu sonho.

Logo, é importante que você deixe dinheiro em caixa para os primeiros 6 meses – no mínimo – em que você estará implementando seu projeto.

E é necessário que com esse recurso você consiga manter, ao menos, os seus custos fixos.

Caso contrário, existe um bom risco de o dinheiro acabar e de você voltar ao mercado de trabalho.

2 – Antes de iniciar sua jornada, pesquise o que quer fazer

Você também pode chamar a segunda dica como jornada do autoconhecimento. E o motivo é simples: antes de implementar o negócio, você vai investir tempo em conhecer quem você é.

Você vai fazer algumas perguntas, como:

  • Quais minhas áreas de interesse?
  • Quais as habilidades que eu tenho?
  • Quais são meus hobbies?
  • Quais são meus gostos pessoais?
  • Quais as competências que acumulei?

E, se puder, contrate um coaching. Seguindo essa dica, você terá todas as suas potencialidades listadas de forma muito clara. Dessa maneira, ficará mais tranquilo para que você encontre seu propósito. Essa descoberta partirá de suas necessidades e desejos.

E outro ponto importante dessa jornada de autoconhecimento é que, quando você pedir demissão, o dia seguinte não será vazio. E por vazio, refiro-me a um dia sem foco, sem objetivos.

Isso não pode acontecer. O dia posterior ao da sua demissão deverá ser estimulante, cheio de energia e de trabalho realizado. Deverá ser um dia em que você começa com o pé direito e com a mente bastante ocupada.

Mas isso acontecerá somente se, antes de você pedir demissão, já houver uma jornada profissional em movimento. E certamente a autoanálise vai lhe conceder energias para se manter na sua trajetória.

3 – Saia de portas abertas

Se você está desesperado para pedir demissão, com certeza essa é uma dica muito valiosa. Por isso, fique atento a ela.

Por mais que a passagem pelo seu emprego atual seja dolorosa, não deixe que isso leve a uma saída cheia de problemas e descontentamentos. Saia pela porta da frente.

E quando se despedir, saia falando com todos os seus colegas, pois, caso precise voltar para este antigo trabalho, você encontrará as portas abertas. E digo isso porque é preciso levar em consideração que muitos profissionais, quando saem do trabalho para realizarem seus sonhos, precisam, às vezes, retornar ao antigo emprego. Muitos não conseguem atingir seus objetivos de primeira.

Enfim, ninguém quer sair do emprego e ter que voltar. Mas é sempre bom quando se pode retornar de portas abertas.

4 – Converse com a empresa onde você trabalha

Pergunte-se: como posso prestar serviço para essa empresa?

Por mais que você considere improvável que lhe contratem como fornecedor, leve em conta que o mundo está mudando. Principalmente se você é um profissional de valor.

Nesse caso, é possível que estejam abertos a essa possibilidade. Sobretudo se você pedir. Mas se você não demonstrar interesse, as pessoas não vão se lembrar de você. Por outro lado, se você colocar a cara a tapa, eles poderão considerar a possibilidade de torná-lo fornecedor. Em alguns casos, podem inclusive aceitar home office. Isso é um movimento que se alastrou pelo mundo inteiro e no Brasil já é realidade em grandes centros.

Leve em conta que, dependendo do caso, a proposta do home office pode ser bastante interessante para empresa. Principalmente se ela estiver em uma crise e exista a necessidade de cortar gastos.

5 – Coloque suas ideias na internet

Não se esconda! Comece a criar vários canais. Invista no YouTube, faça uma fan page ou comece a escrever. Mas leve a sério a sua presença na web. É dessa forma que você vai se conectar com as pessoas. E assim a sua vida vai mudar mais rapidamente que imagina.

Na internet, você estará colocando suas ideias e disponibilizando aquilo que acredita que entrega valor para as pessoas. Dessa forma, você gera valor para o seu público e consegue feedback dele. Com isso, seu negócio entra em um ciclo contínuo de feedback e você vai ajustando seu modelo a isso. É assim que fazemos hoje.

E seguindo por essa lógica, há menos riscos, pois antigamente se criava um produto, adquiria-se um ponto comercial e se esperava.

5.1 – Fuja do marketing da esperança

Isso se chama de marketing da esperança, porque você espera que pode dar certo. Mas pela lógica atual, há uma considerável redução dos riscos, já que você primeiro identifica as reais necessidades de seu público e, a partir delas, define-se todo o resto.

5.2 – Leia o livro A Startup Enxuta

Esse livro vai ajudá-lo bastante, pois aponta os caminhos mais práticos e focados em seu público para a criação do modelo de seu negócio. Dessa forma, você iniciará a sua nova caminhada de forma mais segura. E se está realmente desesperado para pedir demissão, isso pode ser um sinal que você precisa tomar uma decisão.

Pode ser o sinal de que você precisa urgentemente mudar os rumos de sua história e de procurar outras possibilidades profissionais, seja como empreendedor, seja em outra carreira ou, simplesmente, seja em outro emprego. Mas é sinal que algo precisa ser mudado. Mas leve também em consideração todas as consequências dessa mudança e tome todas as precauções para que você seja bem-sucedido em sua nova jornada.

E se gostou desse conteúdo, não deixe de compartilhá-lo com mais pessoas.

Além disso, aproveite para curtir, porque assim saberei que este conteúdo realmente lhe ajudou.

E se você preferir, também pode assistir esse conteúdo, clicando no vídeo abaixo. Até mais!

mulher com celular e notebook na mão 2 tipos de conteúdo que engajam

2 tipos de conteúdo que engajam muito nas redes sociais

Muitas pessoas me procuram, reclamando que criam vários conteúdos, mas o público não engaja. Dizem também que não atraem as pessoas certas, que não têm curtidas e que não conseguem seguidores. Enfim, não tem ou há pouca interação. Por isso, vim compartilhar com vocês 2 tipos de conteúdo que mais engajam nas redes sociais.

Um dos pontos principais para se construir conteúdo de qualidade e que engaje sua audiência é que você precisa conhecer o seu público.

Logo, pense em pontos, como: qual o perfil meu cliente ideal? Quais os seus problemas e frustrações?

E depois de analisar bastante o seu público, suas necessidades e dores, coloque tudo no papel. E utilize isso tudo quando for escrever nas redes sociais.

Com isso, o nível do engajamento já vai melhorar bastante.

E posso dizer isso com segurança, pois quando converso com pessoas que estão frustradas em relação ao desempenho de suas mídias sociais, normalmente elas me relatam que não documentaram sua persona.

E depois de você documentar sua persona, pode colocar em prática as seguintes dicas:

1 – Crie conteúdos que inspiram

Conteúdo de inspiração é o que tem mais funcionado nas redes sociais. Por isso, separe várias frases que tocam nas dores de sua persona e que contribuem com o seu personal branding (marca pessoal) (colocar aqui conteúdo de personal branding).

E investindo na sua marca pessoal, você deve pensar em como deseja ocupar a mente das pessoas.

E, além de frases inspiradoras, você pode pesquisar os próprios autores das frases, fazendo declarações em vídeo.

Para facilitar, um exemplo: 80% de meu público é composto por mulheres e na faixa dos 40.

Logo, por que não utilizar frases de mulheres inspiradoras que estão também nessa faixa de idade, ou próximas dela?

Algumas mulheres que me inspiram e que utilizo as frases em meus conteúdo são Oprah Winfrey, Michelle Obama, Marie Forleo e Paula Abreu.

E além dessas mulheres, há muitas outras inspiradoras no mundo na faixa dos 40.

E posso usar tanto as frases delas, quanto os vídeos em que elas trazem o seu discurso inspirador.

2 – Leve dicas de livros e documentários para o seu público

Este é um dos modelos de post muito simples de se fazer. Basta tirar a foto da capa do livro que está lendo e dar algumas dicas na legenda da imagem.

E é interessante fazer esse tipo de post porque parece que provoca o desejo das pessoas comentarem. Muitas interagem no post, dizendo que já leram o livro ou que pretendem lê-lo. E muitos também marcam seus amigos, indicando aquela leitura que você sugeriu.

E tenho feito muitas análises em cima desses conteúdos que tenho publicado, principalmente naquilo que tem engajado os clientes certos.

E clientes certos são aqueles que estão mais qualificados: que tem capacidade de pagar pelo trabalho, que conseguem implementar o que recomendo e que geram resultado, permitindo que apareçam novos clientes.

Por isso, tem que ter a coragem para segmentar a persona que você realmente quer atrair.

3 – Dica bônus: conheça o curso Alquimia da Autoridade

É um curso que lancei e é prático e rápido, com videoaulas e atividades práticas para documentar sua estratégia de personal branding e como você vai preparar suas plataformas digitais.

Além disso, você aprenderá como gerar conteúdos para redes sociais e como se comunicar profissionalmente por e-mail.

Dessa forma, você entenderá como utilizar essas táticas muito práticas para acelerar o crescimento de sua autoridade de mercado.

O Alquimia da Autoridade é um curso que vai ajudar muita gente, como profissionais liberais e autônomos. Enfim, pessoas que precisam se tornar referência e criar autoridade, reputação e se tornar uma pessoa requisitada.

Dessa forma, você vai se tornar um profissional mais requisitado e com a agenda cheia.

Por isso, não deixe de conferir o curso, clicando aqui.

E se quiser assistir este conteúdo, veja no vídeo abaixo:

COMO FAZER MATRIZ DE PERSONAL BRANDING O QUE É

Matriz de Personal Branding – conheça!

Quando o assunto é personal branding, o primeiro ponto é entender que apenas a construção de marca não será o suficiente para o sucesso do seu negócio. É necessário ter em mente que você realmente precisa atender às necessidades de seus clientes. E, aqui você vai conhecer a matriz de Personal Branding!

Por outro lado, de nada adianta ter um baita conhecimento técnico e ser muito competente, se você não sabe se vender. E mais importante: saber atrair as pessoas corretas no seu processo de venda, que são aquelas que lhe interessam do ponto de vista pessoal e dos negócios.

Logo, é muito importante que você quebre todos os seus tabus e crenças negativas em relação ao personal branding.

Afinal de contas, com a adoção do marketing pessoal, você vai atrair as pessoas corretas e elas vão querer contratar os seus serviços.

E é importante saber que a construção de marca não significa a maquiagem de pessoas ou fatos. A matriz de personal branding é feita exatamente com base naquilo que você é e no que sua audiência precisa.

Logo, saber se vender é fundamental no mundo dos negócios e se você não aprender, ninguém irá fazer isso por você.

E segue um exemplo:

O meu exemplo de como utilizar o personal branding

Fiz este post perguntando às pessoas o que lhes vêm à mente quando ouvem meu nome.

E para minha surpresa, foram 164 comentários. E eu não esperava um número tão grande de pessoas que se dispusesse a responder essa pergunta.

E graças a esse retorno, foi possível tomar algumas ações, já que ficou mais fácil de se perceber a imagem que as pessoas têm em relação a mim. E é justamente para isso que esse tipo de ação serve.

Para isso, li os comentários, um por um, e verifiquei os atributos que as pessoas atribuíram a mim, já que posicionamento diz respeito à imagem que se ocupa na mente do cliente.

Como aproveitar essa captação de respostas

Para tomar ações com base nos retornos que recebi das pessoas, foi necessário que eu fizesse uma divisão em grupos sobre o que foi comentado. Confira:

  • Grupo 1: palavras mais repetidas. Aqui coloquei os termos que apareceram entre 2 e 3 vezes;
  • Grupo 2: caraterísticas pessoais. Aquelas características em relação a minha personalidade que foram citadas pelas pessoas;
  • Grupo 3: profissional. Características de cunho profissional que apareceram algumas vezes;
  • Grupo 4: valores. Esses são os valores que preservo em minha vida e que procuro transmitir nos conteúdos que produzo e que apareceram nos comentários;
  • Grupo 5: expressões. São as expressões relacionadas à minha forma de trabalhar e às mensagens que levo para meus clientes.

No meu caso, por exemplo, muitas das expressões foram ao encontro de uma mentalidade direcionada para o empoderamento feminino.

E isso é verdade. 90% dos meus clientes são mulheres e são muito motivadas a mesclar o trabalho com um estilo de vida que torne o mundo um lugar melhor. Além disso, percebem no exercício profissional uma forma de realização pessoal.

E essas características também estão presentes nos homens que acabam se tornando meus clientes. De forma geral, eles cultivam esses valores, mesmo estando mais presentes entre o público feminino.

Então, veja como aplicar:

Matriz de personal branding

A matriz de personal branding serve justamente para reforçar uma imagem que queremos que o público tenha a nosso respeito.

E isso vai impactar diretamente nas pessoas que você irá atrair. E ao se posicionar da forma correta, você irá trazer potenciais clientes com quem você realmente queira se relacionar.

E para ficar mais fácil, eu trouxe a minha própria matriz, com base no retorno do público e no que desejo reforçar. Mas antes, veja só como interpretar a matriz.

Como interpretar essa matriz

É uma matriz bem simples, na verdade. Ela é dividida em 4 quadrantes. E cada um representa a forma como nos comunicamos com as pessoas.

Os quadrantes são a brand persona, o tom de voz, a linguagem e o propósito.

A brand persona é a forma como decidimos interagir com o mundo. É como nos relacionamos com os outros: o nosso papel social e a nossa forma de expressão.

E o termo “brand persona” não é algo aleatório.

Persona é um termo vindo do latim e que equivale a personagem. E “brand” significa marca.

Por isso, a brand persona nada mais é que os papéis sociais que você adquire quando se relaciona com outras pessoas.

Isso impacta em diversas situações: nas roupas que usamos, na forma que falamos e em todas as maneiras de expressão pessoal.

O tom de voz está ligado com a intensidade da mensagem que estou passando, enquanto que a linguagem diz respeito a forma como me comunico. Por exemplo, se estou falando com empresários ou com público infantil, haverá uma maneira bem diferente de se dizer o que pensa.

E o propósito está relacionado com a mensagem que desejo passar e a forma como os objetivos de meu projeto impactam na vida de meus clientes e como isso deve ser transmitido.

Terminados estes pontos, segue a minha matriz:

Brand Persona

  • Enérgica;
  • Entusiasmada;
  • Descontraída;
  • Amigável;
  • Sociável;
  • Ágil.

Tom de voz

  • Informal;
  • Acelerado;
  • Assertivo;
  • Honesto.

Linguagem

  • Simples;
  • Sem jargões;
  • Objetiva;
  • Pragmática;
  • Acessível.

Propósito

  • Ensinar;
  • Inspirar;
  • Surpreender;
  • Compartilhar;
  • Abrir a visão.

A importância dessa matriz de personal branding e como analisá-la:

É fundamental a criação dessa matriz porque, dessa forma, eu sempre reforçarei os pontos que são fundamentais na comunicação com os clientes.

E documentando a estratégia é possível ter a disciplina para reforçar aquela imagem pela qual quero ser reconhecida no mercado.

Mas é importante levar em consideração que não adianta apenas criar uma matriz de brand persona apenas com base no que você imagina.

É necessário verificar a forma como as pessoas realmente lhe percebem e procurar meios para adequar a sua comunicação.

Dessa forma, você conseguirá direcionar a sua audiência para a visão que você deseja que ela tenha de você.

Afinal de contas, não é legal quando pensamos que nossos seguidores têm uma visão de nós, mas na prática eles têm a oposta.

Logo, quando isso acontece, é necessário fazer uma comparação entre o que pensam de fato sobre nós e que queremos que pensem.

Mas quando perguntamos e ouvimos as repostas, algumas surpresas positivas surgem, de coisas que até sabíamos, mas que não havia clara consciência.

Logo, sem saber exatamente como a audiência lhe enxergava, não há como ajustar a comunicação.

Mas, depois que ficar sabendo, vai poder arrasar nos conteúdos que vão lhe ajudar a se posicionar da forma correta na mente do cliente.

Como utilizar esse conhecimento

A partir dessas características que foram listadas, desenha-se a estratégia e matriz de personal branding que vai ser utilizada em seu site, seus artigos, conteúdos em toda sua presença digital.

Logo, o importante são as estratégias e ações que nascem do levantamento de seu personal branding.

E gostou do conteúdo?

Se gostou, não deixe compartilhá-lo nas redes sociais e de espalhar essa ferramenta maravilhosa que é a brand persona.

É uma ferramenta que pode ajudar muitos de seus amigos, então não deixe de compartilhar essa preciosa informação com eles.

Além disso, assine nossa lista de e-mails. Dessa forma, você conseguirá receber mais conteúdos quentes que sempre estou produzindo para você.

Você pode conferir o conteúdo onde explico sobre a importância do personal branding para a vida de um profissional.

E este conteúdo também está disponível em vídeo, logo abaixo. Clique para assisti-lo. E até mais!

mão desenhando sua personal branding em um caderno

Personal Branding: como construir um posicionamento de sua marca pessoal

Posicionamento é algo muito importante, sobretudo quando o assunto é criação de marca. Por isso, vou explicar neste texto, com exemplos, as formas de posicionamento existentes e como você pode utilizar essas ferramentas para criar o seu personal branding.

E leve esse assunto a sério! Pois, isso tem tudo a ver com a sua presença na web e sobre como você cria a sua imagem para o seu público alvo.

Por conta disso, saiba que existem dois tipos de posicionamento, o mercadológico e o pessoal. Mas ambos trabalham o seu aspecto profissional e a sua criação de imagem diante do público.

Logo, saiba se posicionar, lendo estas dicas:

Personal branding: posicionamento mercadológico

Este tipo de posicionamento se refere à forma como você escolhe um nicho, estabelece uma comunicação com ele e lhe oferece seus produtos. Nesse caso, se trata de um posicionamento relativo e não absoluto.

Pode-se dizer isso porque você sempre estará posicionado em relação a alguém. Logo, é fundamental fazer o estudo de concorrência. Pois é em relação aos concorrentes que você estará ocupando seu espaço.

E isso deve ser feito com mais cuidado em uma área que seja muito concorrida. E para que você consiga fazer criação de público sem enfrentar concorrentes muito grandes, é interessante focar em pequenos nichos. Nesses grupos, você pode encontrar possíveis consumidores sem atendimento e uma grande demanda.

Se você é, por exemplo, uma nutricionista, este é um mercado que já está bem ocupado.

Tem muita gente inclusive que se posiciona bem no Instagram. Principalmente em assuntos, como: comidas saudáveis, vegetarianas ou orgânicas. 

Logo, a ideia é procurar nichos diferentes desses, onde há poucas pessoas com grande visibilidade, como vegana, por exemplo.

Com isso, você atrai milhões de pessoas que têm interesse no assunto “comida vegana”, que é um nicho onde há menos disputa acirrada entre nutricionistas na internet.

Logo, além de poder cobrar mais pelas consultas provindas dos conteúdos que você gerou, você também poderá pensar em outras formas de aumentar a sua renda.

Você poderia:

  • Vender um e-book;
  • Ampliar sua audiência;
  • Vender um curso online sobre o assunto;

E essa estratégia de se focar em apenas um nicho tem relação ao que se espera hoje da área de negócios. Atualmente, em vez de atingir vários grupos sociais ao mesmo tempo, na internet a gente procura “nichar”.

E não é por menos: o dinheiro está nos nichos.

Se a gente percebe o mercado como uma floresta, os nichos serão as árvores. Logo, o dinheiro estará nas árvores.

E, tomando a decisão de segmentar a sua comunicação e os seus produtos, você ocupa uma posição de referência na mente de seus clientes.

E isso é o posicionamento mercadológico. Mas este não é o único.

Personal branding: posicionamento de imagem

Cada pessoa é uma marca. Por isso, você precisa colocar a sua cara na internet. 

Afinal, quem mais gera credibilidade, empatia e proximidade vai se destacar e ponto. A gente sabe disso.

E isso precisa ser enfatizado, pois quem não é visto, não é lembrado.

E dentro desse aspecto pessoal de gerenciamento de marca, novamente entra o conceito de posicionamento. 

E nesse assunto, o que deve nos interessar é a posição que ocupamos realmente na mente dos outros e não aquela que achamos que ocupamos.

Por exemplo, quando se lembram de mim, posso afirmar que:

  • Sou vista como uma pessoa que tem credibilidade;
  • Sou vista como alguém que é muito pragmática (mão na massa);
  • As pessoas me vêem como alguém inspirador;
  • Minha audiência me vê como corajosa e que faz acontecer.

Mas todos esses atributos estariam apenas na minha mente se eu não fizesse um reforço positivo junto a minha audiência e de tudo aquilo que ela me retorna. Então, posicionamento de imagem é justamente como você se constrói na cabeça do cliente. E, isso tem a ver como você é. Resultando na forma como se comunica e a tomada de decisão estratégica de usar palavras corretas na sua comunicação.

Isso deve ocorrer para reforçar a visão que sua audiência precisa ter de você.

E, a partir disso, procure se posicionar junto aos clientes com base no retorno que lhe oferecem versus a forma como seus concorrentes se posicionam.

Logo, posicionamento tem a ver com originalidade. É ser único na mente do cliente.

Branding é o que falam sobre você

E para terminar este texto, vou trazer uma história corriqueira. Vamos supor que você chegou em um restaurante e que cumprimentou a todos que conhecia em uma mesa diferente da que vai sentar.

E depois, quando virou as costas para ir até a mesa destino, rola um “zum zum zum”. Obviamente, as pessoas vão comentar sobre você. E não estou dizendo que é fofoca. Mas algo vai ser comentado.

Daí lhe pergunto: o que você acha que comentaram sobre você?

E isso é uma atitude muito comum. As pessoas costumam comentar sobre as outras. Por conta disso, alguém vai usar adjetivos para lhe descrever.

Logo, cabe a você se perguntar se a sua marca (o “zum zum zum”) que você gera na cabeça das pessoas:

  • É algo que lhe satisfaz;
  • Você quer reforçar;
  • Mudar, de alguma maneira;
  • Tem a ver com seus valores;
  • É relevante para o público alvo.

E você sempre deve pensar que, embora alguns adjetivos possam ser positivos, isso não quer dizer que sejam relevantes na percepção de seu público alvo.

Pense que posicionamento é uma guerra de percepções e não de produtos.

Logo, se para o seu público ser alguém carismático é algo muito relevante, sugiro que procure trabalhar essa qualidade em sua imagem.

E se você gostou desse conteúdo, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais. Dessa forma, você já estará se posicionando como alguém que gosta de empreendedorismo.

E, se isso for relevante para o seu nicho, não deixe de fazê-lo. Além disso, siga-me nas redes sociais para receber os melhores conteúdos e na minha lista de e-mails para obter materiais exclusivos.

Caso queira conferir este material em vídeo, confira no link abaixo:

 

caderno com digital marketing

Marketing Digital: por onde começar?

Antes de mais nada, a pergunta: “Carol, por onde começar no marketing digital?” foi exatamente assim que surgiu este conteúdo. 

Recebi essa pergunta no Periscope e resolvi criar um conteúdo especial com base nela. E realmente acho que seja um tema interessante, pois começar no marketing digital hoje é difícil. Há muitas coisas que precisam ser aprendidas e conteúdo não falta. Por conta disso, muitos acabam desistindo por conta da overdose de informações.

Logo, a prioridade neste conteúdo é definir pontos chave para você seguir a sua caminhada no marketing digital. Sem ter aquele stress de não saber por onde começar. E neste artigo você vai aprender que marketing digital não é um bicho de sete cabeças. E que, apesar de existirem vários caminhos para o aprendizado, você vai perceber que é algo simples e totalmente possível.

E a primeira dica é:

1 – Não comece pelo marketing digital

Pode parecer uma dica estranha, considerando o título do texto, mas não é. 

Você não tem que começar o seu negócio pelo marketing digital, mas definindo a sua estratégia. Esse é o primeiro passo. Mas muitos, e isso é muito comum, fazem o contrário. Compram uma ferramenta de e-mail marketing, um curso de Facebook Ads ou um site. Mas depois não sabem o que fazer com esses recursos. 

Por isso, reforçando, é fundamental começar pela estratégia.

2 – Business Model Canvas

Este é o seu segundo passo. Nessa ferramenta é possível definir de forma clara e simples tudo o que será necessário para a criação de seu negócio. E saiba que esta é a primeira dica que dou para meus alunos. 

Gosto muito desse modelo porque ele parte das necessidades de seu público alvo. Público alvo é um conceito que define, em linhas gerais, quais as características dos seus possíveis compradores.

Mas na internet, como costumamos ser mais específicos, trabalhamos com o conceito de persona ou avatar. A persona é um personagem semi-fictício que representa o modelo de seu comprador ideal. E quando nos relacionamos com esse personagem, colocamos nele todas as possíveis características de nossos compradores reais. 

Dessa forma, fica mais fácil ajudar o nosso público.

Vou ajudar e listar algumas características desse público:

  • As dores. Esse é o item fundamental que deve ser abordado no seu público, pois você deverá ser um mediador entre os seus problemas e as soluções;
  • Dados demográficos. Sexo, idade e localização são itens básicos que devem fazer parte da sua persona, pois eles ajudam definir a abordagem correta para o seu público;
  • O seu produto será uma solução para o problema de seu avatar.

E conhecendo essas características, o seu produto se torna uma oferta irresistível, pois você saberá as dores de seu público alvo melhor do que ele próprio. E isso tudo é uma abordagem estratégica. Não sei se você percebeu, mas não citei nenhuma ferramenta de marketing digital até o momento.

E o mais interessante é que mesmo se tratando de nicho, que é um termo mais digital para público alvo, muitos mercados no Brasil são de massa. E posso afirmar isso com tranquilidade porque moramos em um país com centenas de milhões de habitantes.

Logo, a maioria dos mercados, mesmo que não sejam tão expressivos percentualmente, acabam sendo de massa, pelo grande volume de consumidores.

3 – Defina sua persona claramente

Tratamos sobre persona na dica anterior, mas vamos aprofundar o tema, já que ele é muito amplo e interessante. E é o coração de um negócio digital. 

Por conta disso, recomendo que você faça um estudo aprofundado sobre sua persona.

3.1 – Faça perguntas e pesquise

Para ajudá-lo nessa tarefa existem várias excelentes ferramentas e algumas são gratuitas. Você pode, por exemplo, utilizar de ferramentas de pesquisa para pegar informações com pessoas que teriam as características de sua persona.  O próprio Google tem uma excelente ferramenta de formulário que pode auxiliá-lo nesse momento. E para criar esse formulário, você pode incluir várias perguntas sobre comportamento e características demográficas.

3.2 – Interaja nas redes sociais

Além disso, você pode interagir nas redes sociais e construir seu modelo de persona observando dúvidas e comportamentos de pessoas que se enquadram no perfil de seu avatar. Entrar em grupos onde a sua persona interage, por exemplo, pode abrir portas interessantes para a coleta de dados preciosos.

3.3. – Como sua persona lhe encontra?

Já parou para pensar como você, ou o seu concorrente, é encontrado mais facilmente pelo seu avatar?Sua persona lhe encontra, por exemplo, por uma pesquisa no Google ou passeando pela rua, caso seja um negócio off-line? Outro ponto a se definir é em quais redes sociais a sua persona atua com mais frequência e em qual ela vai estar mais acessível a sua abordagem.

3.4 – Compreenda sua persona

Faça perguntas que tenham relação direta com o seu possível cliente, tais como:

– O que é sucesso para a minha persona?

– Quais são os medidores de sucesso (tempo livre, statuts, bens…) para minha persona?

– Qual é a preocupação de minha persona quando coloca a cabeça no travesseiro?

Pense seriamente nessas questões, pois a sua função é de ser um facilitador para os seus clientes. Você deve se apresentar como alguém que vai ajudar o seu cliente a vencer seus desafios. E, veja bem, até agora não falamos sobre marketing digital.

Até agora…

4 – Estruture seu marketing digital

Chegou o momento de produzir conteúdo e somente agora. Depois de concluir as etapas anteriores, você conhecerá as necessidades de sua persona mais de perto. E com isso saberá como abordar as suas dores. E o conteúdo deverá justamente ajudá-la, oferecendo soluções e quebrando as suas objeções. E saiba que objeções são muito comuns.

Algumas delas são:

  • Será que o que está sendo falado nesse vídeo é para mim?
  • Será que isso funciona para mim?

E tem muitas outras. E, justamente por isso, você deverá gerar muito conteúdo. Nisso entra a geração de tráfego. Veja como estruturá-la:

4.1 – Utilize uma rede social que gere conteúdo para vídeos

É importante investir em vídeos, pois é o formato mais engajador de todos. E, hoje, é o que oferece a mais alta probabilidade de ser encontrado. E saiba que o YouTube é o segundo maior buscador do mundo, perdendo apenas para o Google.

4.2 – Tenha um blog

É fundamental que este blog seja vinculado ao seu site, pois, dessa forma, ele estará cumprindo a sua função. A função de um blog é fazer com que seu site seja encontrado nos mecanismos de busca, como o Google.

4.3 – Encontre as principais fontes de tráfego

É imprescindível saber quais são as fontes de tráfego mais importantes. Dessa forma, você não vai precisar se esforçar demais em todas. Digo isso porque a criação de conteúdos demanda um esforço que deve ser considerado. É necessário manter esse conteúdo com consistência e qualidade. Por isso, não pense que colocando um artigo no seu blog, de vez em quando, sua presença na internet amplificará.

4.4 – Faça um mix entre tráfego pago e orgânico

Nesse momento, é interessante reforçar o estudo nas melhores fontes de tráfego para o seu negócio. E quando você percebe quais são, torna-se mais fácil de responder algumas perguntas, como:

– Já tenho um negócio sólido ou estou começando agora?

– Preciso de uma ferramenta de e-mail marketing muito poderosa ou algo mais básico e gratuito satisfaz minhas necessidades iniciais?

Por conta disso tudo, você precisa mesclar as estratégias do seu negócio com o marketing. Ambos devem caminhar juntos. Por isso, é importante aprender sobre inbound marketing.

5 – Estude (muito) inbound marketing

A pergunta “por onde começar no marketing digital” tende diretamente para o aprendizado de inbound marketing. Essa é uma estratégia ampla que envolve várias etapas do marketing.

Estudando essa metodologia, você aprenderá:

  • A fazer o marketing de atração dos seus possíveis compradores;
  • A converter esses possíveis compradores em leads, ou seja, você conseguiu algum meio de contato deles. O e-mail já serve;
  • A se relacionar com esses leads e a educá-los sobre o seu produto para que comprem de você;
  • A comprarem várias vezes de você e a torná-los evangelizadores de sua marca!

E se quiser você pode saber mais sobre como aplicar a sua estratégia com as ferramentas de Marketing Digital de maneira correta.

E você pode consumir todo esse conteúdo de uma outra forma, eu tenho um vídeo muito popular no meu canal do Youtube que fala exatamente sobre por onde e como começar no Marketing Digital! Esse vídeo já gerou vários comentários e feedbacks positivos de pessoas. Pessoas que também estavam perdidas e sem saber por onde começar. Dê o play abaixo e assista agora!

Seguindo por essas dicas, não tem erro. E as possibilidades de você alcançar o sucesso como empreendedor serão mais altas do que nunca. 

E se você gostou desse conteúdo, aproveite para compartilhar com mais pessoas. E demonstre que lhe ajudou, dando um likeDessa forma, tenho um termômetro para saber quais temas são mais importantes para você.

E muito obrigada pela sua audiência!

mão escrevendo alta performance na lousa

Alta Performance dos Empreendedores: o Poder das Pausas

O que mais se vê nos dias de hoje, com o crescimento de empreendedores individuais batendo todos os recordes, dada a nossa conjuntura econômica. São profissionais de alta performance com dificuldades de realizar pausas nos seus dias.

Empreender é uma tarefa muito solitária na maioria da vezes.  Quantos “eupresas” você tem visto à sua volta?

Surge uma grande dificuldade inerente a esse desafio de empreender sozinho, conseguir pausar, em algum momento para recarregar as baterias. O empreendedor vai negligenciando essa importante aliada aos seus resultados: a pausa.

Pausas curtas e disciplinadas ao longo do dia, e também as periódicas mais extensivas. São o combustível da saúde física e mental, sem as quais o empreendedor não vai muito longe.

Sim, porque se não houver pausa, existe uma grande chance de se criar um quadro de stress, uma síndrome burnout. Uma doença grave, e assim colocar tudo a perder.

Em 2015 estive na High Performance Academy com o maior coach do mundo nessa área, o Brendon Buchard. E a pausa foi um dos um dos pilares apresentados para a Alta Performance na vida e nos negócios.

A pausa ao longo da jornada diária serve para se hidratar, se esticar, descansar a mente. É também responsável por aumentar a sua clareza mental e manter o seu foco. Ambos fundamentais para obter mais produtividade em um dia de trabalho.

Uma dica para se disciplinar é usar o alarme do celular e se obrigar a dar aquela paradinha. Cerca de 10 minutos a cada 1 hora pelo menos, até que ela vire um hábito consolidado.

E mesmo que esteja se sentindo super disposto para ir em frente e “terminar logo” aquela tarefa. Saiba que a disciplina de parar por alguns minutos acarreta em menor perda cognitiva durante o processo. Existe até uma frase em inglês que diz: “Work smarter, not longer”.

O difícil é convencer o empreendedor que ele precisa aprender a pausar quando está possuído pela vontade de caminhar rápido. E encara diariamente uma enorme fila de tarefas com quase nenhuma equipe, especialmente quando o negócio está começando.

Mas é preciso experimentar e colher os benefícios desse hábito.

Seja um Empreendedor de Alta Performance.

A pausa para mim, nunca foi uma tarefa fácil. Sempre fui conhecida nas empresas que trabalhei pela dedicação extrema e pela tendência workaholic.

Na minha época corporativa esse era um perfil muito valorizado. E, isso coincidia com a crença que aprendi cedo em casa: “é preciso trabalhar duro pra fazer sucesso e dinheiro”.

Descobri em minhas buscas de desenvolvimento pessoal que essa é a crença limitante que mais me atrapalhava. E até hoje luto com ela. Crenças definem nosso modo de agir na vida. Aos poucos fui vendo que essa é apenas uma crença e não uma verdade absoluta, afinal, quantas pessoas bem sucedidas eu conheço que não precisam trabalhar em esforço extenuante para terem sucesso naquilo que fazem.

Fato é que, enquanto pensarmos assim, comandaremos nosso cérebro para que o processo de ganhar dinheiro seja sofrido e exaustivo. Nosso cérebro vai trabalhar para manifestar uma realidade coerente com as nossas crenças, afinal esse é o papel dele. E assim, vai ser sempre difícil e exaustivo ganhar dinheiro.

Com muita consciência dessa crença, e muita disciplina para me permitir pausar,  esse ano começou diferente (2017). E de fato tem sido um ano bem mais leve, as metas continuam desafiadoras, mas o comportamento mudou. Estou me tornando cada vez mais habituada às pausas, com vários pequenos momentos de recarga de energia.

Uma das minhas maiores vitórias esse ano foi ter retomado um hobby antigo: dançar jazz. Por mais que eu tentasse, nunca conseguia por pura crença de que o problema era tempo. Na verdade eu não me permitia pausar.

A mente dizia: você precisa “trabalhar muito duro se quiser fazer dar certo”.

E  pasme: essa simples decisão de abrir espaço para o hobby, além dos momentos de relaxamento mental e físico. Me ajuda muito na criatividade para o meu negócio. Não raro tenho insights valiosos após as aulas.

E também tem me permitido estar menos tensa nos momentos de dificuldade.

O começo de um negócio é realmente de uma dedicação extrema e é esperado que cause muito desequilíbrio. Mas hoje tenho comprovado que correr em velocidade constante é mais útil para o negócio. Do que os tiros de velocidade alternados com momentos de língua para fora.

Portanto, mesmo que você ainda seja uma “eupresa”, e que sua lista de fazeres pareça interminável, use a cabeça. Desafie suas crenças e se dê essa chance de pausar. Seu negócio agradece!

 Aproveite para conferir a dica de 5 aplicativos que vão triplicar a sua produtividade, te auxiliando a ter as pausas que realmente precisa e se tornar um profissional de alta performance.